A CABANA: APENAS UMA OBRA DE FICÇÃO

MARCOS SIMAS | Fui à pré-estreia do filme “A Cabana”, homônimo do livro que havia lido faz algum tempo. Logo após sair do cinema um amigo que assistiu comigo postou algo sobre o filme em tom elogioso e, de imediato, recebeu reprimendas e alertas de alguns de seus milhares de seguidores no Facebook.

Para mim não foi novidade. Quando o livro saiu, alguns anos atrás, tive que explicar para um monte de pais e mães de minha igreja do que se tratava a obra e porque havia tantos comentários na internet se opondo ao conteúdo do livro supostamente herege.

Sinceramente, ainda me impressiona quando cristãos ficam assustados com conteúdos editoriais desse tipo que são simples estórias e ao mesmo tempo se apavoram com a possibilidade de danos que podem advir de um conteúdo ficcional que fale sobre Deus, Jesus, o Espírito Santo, ou a Trindade.

Deus não precisa de defensores em alerta máximo nas redes sociais, para protegê-lo de ataques hereges que tentam de alguma forma afetar sua imagem e tudo aquilo que os seus acreditam, deixando-o com baixa popularidade. Ou mesmo que “arranhem” sua imagem e atrapalhem o processo de evangelização – se é que ainda nos preocupamos exatamente com isso hoje em dia.

Confesso que também me pergunto se as críticas ao autor da obra (não o conheço pessoalmente e nem tenho contrato ou procuração para defendê-lo) não seriam de fato o resultado de preconceitos? Afinal, o personagem que se refere a Deus é apresentado ali como mulher e negra. O Espírito Santo é uma mulher descendente de asiáticos. E Jesus é um homem comum, frágil e sensível.

O livro “A cabana” é primeiramente uma ficção e não um ensaio, tão pouco uma tese ou história de uma realidade factual. E também não é uma obra de Teologia. É simplesmente uma estória! E, de fato, é uma estória que sinaliza em alguns belos momentos a soberania e a grandeza de Deus, que se fez homem como nós, e que procura mostrar certa leveza em relação a uma Trindade que não conseguimos compreender; afinal, 1+1+1=3 ou 1+1+1=1?

O autor procura desenvolver a estória a partir de alguns elementos muito caros e provocativos ao ser humano moderno. Principalmente aos que se dizem cristãos: dor, sofrimento, maldade, injustiça, perda, pais e filhos, família, criança, um breve momento e tudo pode acontecer a qualquer um de nós. E isso nos toca e apavora a todos, já que queremos ter sempre o controle da vida e da morte em nossas mãos. Mas esses temas já eram de difícil compreensão até mesmo para os antigos personagens bíblicos, incluindo Jó, Davi e os discípulos (Jó 42; Sl 37; João 9).

O filme me fez lembrar de como não entendemos os mistérios de Deus, apesar de tentarmos e de alguns nos prometerem que isso é possível (Rm 11.33-34a). Ao mesmo tempo, me fez lembrar o alto preço que foi pago por Jesus para se tornar como nós, sendo confundido, desvalorizado e injustiçado até a morte mais vergonhosa de sua época – que grande e impressionante amor!

Não é raro perceber hoje nas igrejas cristãs heresias mais perigosas, disseminadas com a seriedade de quem produz teologia, e não ficção. É verdade que são teologias ficciosas, que tentam desviar os cristãos da verdadeira doutrina (2Tm 4.3-4). E há também péssimos testemunhos chegando a todos pela TV ou internet, com práticas e conteúdos muito mais escandalosos do que o livro “A cabana” apresenta, principalmente no que se refere a dinheiro, sexo e poder – essa trilogia do mal, que ultimamente tem envolvido os políticos e poderosos do nosso país, nos dando a sensação de profunda desesperança. E é contra isso que devemos nos posicionar! Isso é realidade e história, e não ficção e estória.

É claro que todos têm o direito de discordar da forma, do conteúdo e dos símbolos religiosos como são utilizados em “A cabana”, assim como em outras obras que tentar abarcar a temática religiosa, principalmente os personagens mais sagrados e caros para a grande maioria dos cristãos. Lembremos de “O código Da Vinci” que questionava a divindade de Jesus e, ao mesmo tempo, falava de supostos sentimentos pouco divinos, ou humanos demais, sobre Maria Madalena.

Devemos ser menos alarmistas e abandonarmos a mania de sermos os “Patrulheiros da fé”, principalmente com a internet e as mídias sociais que são hoje tamanha ferramenta para instigar a agressividade e violência entre pessoas, ainda que religiosas, ou principalmente entre elas.

• Marcos Simas é casado com Alzeli e pai de Pedro e Clara. Trabalha como editor, tendo publicado mais de 400 obras ao longo de mais de 25 anos.

SEMINÁRIO DE LIDERANÇA JOVEM

INSTITUTO NEIR MOREIRA | Ideal tanto para líderes de jovens quanto para regentes musicais e todos os vocacionados para a liderança cristã. Local: Templo Sede da Assembleia de Deus Plenitude de Vida (Almirante Tamandaré). Não perca tempo! Reserve hoje mesmo sua vaga com a irmã Saiomara Wogler (99131-8550)…

FORMATURA

CURSO DE DIACONIA | Na condição de Superintendente de Educação Cristã do campo eclesiástico da ADPV tive a honra de formar 23 novos alunos do Curso de Diaconia – incluindo a mais linda das “diaconisas”: minha esposa, Saiomara Wogler… Elogios à parte, parabéns a todos pelo empenho e dedicação – inclusive os que não puderam estar presentes no evento. Prepara-se: novos cursos vêm aí…

QUANDO DEVO PROCURAR UM PSICÓLOGO? E UM PSIQUIATRA?

GAZETA DO POVO | Cada profissional de saúde age de uma forma e entender os sintomas e a causa do problema ajudam na escolha

Na hora de buscar ajuda para manter a saúde mental, é comum surgir a dúvida: procuro um psicólogo ou um psiquiatra? A escolha, porém, depende muito da situação e dos sintomas que a pessoa apresentar. Para explicar sobre essa diferença, o médico psiquiatra Edvino Krul Junior relatou duas histórias e pediu para que os leitores da Gazeta do Povo, durante o Papo Saúde desta quinta-feira (06), indicassem qual seria o caso de buscar um psicólogo e qual exigiria o atendimento do psiquiatra.

PSIQUIATRA OU PSICÓLOGO?

CASO A – O homem tem um bom emprego, é casado e é feliz no casamento, não tem problemas financeiros e nem de relacionamento. Porém, nos últimos anos, tem se sentido triste – e não sabe apontar qual é a razão desse sentimento negativo.

CASO B- Outro homem que está passando por uma situação de estresse, com brigas no casamento, inclusive levando ao fim do relacionamento. Nada parece dar certo no trabalho e sente-se constantemente irritado.

“O caso A parece que a vida da pessoa está toda organizada e não tem um motivador aparente para ele se sentir triste. Parece ser uma doença, de ser algo químico que está errado no organismo. Neste caso, é importante buscar um psiquiatra“, explica o médico.

“O caso B, por outro lado, tem um motivador. É o estresse no trabalho e em casa. Parece ser uma reação àquela situação vivenciada e poderia ser solucionado pensando nos relacionamentos daquela pessoa. É o caso, portanto, de buscar um psicólogo“, completa Krul Junior.

“Quem procura por um psiquiatra deveria também procurar um psicólogo, porque o resultado do tratamento em junto melhora”, diz o médico Edvino Krul Junior.

Essa é uma dúvida comum quando se fala de estresse e, principalmente, quais os sintomas, sequelas, cuidados e tratamentos do Estresse Crônico. O assunto foi o tema do Papo Saúde desta quinta-feira (06), e reuniu leitores da Gazeta do Povo no Núcleo Estilo de Vida, do espaço A Fábrika para a palestra “O stress crônico e sua relação com os sintomas de urgência e emergência médica”.

Ao lado do médico psiquiatra, o médico e diretor médico da Plus Santé Miguel Mariano Marzinek tratou dos sinais de estresse crônico e alertou: “Muitas pessoas tendem a confundir e a achar que estão enfartando, entrando em convulsão ou mesmo tendo um AVC, quando na verdade são sinais decorrentes de um estresse crônico”.

“Quando a pessoa passa por uma situação de estresse, a pupila dilata, a pele fica mais pálida, a musculatura tensiona, o coração acelera e esses são sinais comuns e até saudáveis, dependendo da situação. O problema está quando esses sintomas se prolongam e predispõem o organismo a outras doenças, como úlceras, gastrites e até mesmo problemas cardíacos”, explica Marzinek.

CONCILIAÇÃO E CUIDADO ESPIRITUAL

PÓS-GRADUAÇÃO | A Faculdade Fidelis lança especialização inédita em Curitiba sob o tema “Conciliação e Cuidado Espiritual”. Ideal para pastores, psicólogos, conselheiros, educadores e todos envolvidos no acolhimento e cuidado de pessoas…

SEU FILHO É REJEITADO NA ESCOLA? VEJA COMO AJUDÁ-LO

GAZETA DO POVO | Pais de crianças que são isoladas pelos colegas sofrem junto com os filhos. Saiba como lidar com essa situação.

É comum vermos nas escolas aquelas crianças que são isoladas pelos colegas. O isolamento entre crianças normalmente acontece por conta das diferenças. Ou porque o coleguinha está acima do peso, ou usa aparelho nos dentes, porque é muito magro, ou muito calado. “Na infância, as diferenças não são bem vistas. As crianças não têm maturidade para entender e aceitar as diferenças e por isso excluem e rejeitam quem é diferente”, explica a psiquiatra Beatriz Rosa, que atende crianças no hospital Santa Marcelina, em São Paulo.

Tão difícil quanto para a criança é para os pais, que sentem na própria pele a rejeição do filho. A dúvida é como agir em uma situação dessas, quando o filho não é aceito pelos colegas ou sofre ao ser isolado pelo grupo. A dica da psiquiatra é: primeiro entenda o que está acontecendo em uma conversa franca com a criança. Depois, procure a escola.

“Os pais e a escola devem trabalhar juntos. A escola deve ser a intermediadora, por exemplo, de uma conversa entre os pais da criança que sofre e a que faz o bullying”, diz. É comum entre as crianças que sofrem bullying — isolamento coletivo é bullying — e são rejeitadas por serem diferentes, a presença do sentimento de culpa. “Ela vai sentir que o problema é ela, que fez algo de errado e é inadequada. Ela está machucada”, afirma a psiquiatra.

CUIDE DA AUTOESTIMA
Em casos como este, a autoestima da criança precisa ser trabalhada. Em casa, as conversas com os pais devem sempre focar nas características positivas, no que o filho tem de melhor. “Claro que os pais também podem falar sobre pontos que a criança poderia melhorar, por exemplo, mas sempre cultuando os pontos fortes da personalidade dela”, diz Beatriz.

Matricular a criança em um esporte ou outro tipo de atividade extracurricular também pode ajudá-la a desenvolver a socialização, segundo a psiquiatra. Na dúvida se o seu filho está sofrendo algum problema mais sério, procure um especialista. Um psicólogo ou psiquiatra pode ajudar.

Sinais que a criança está sofrendo rejeição:
* Mudança de comportamento
* A criança fica mais calada, por exemplo, ou repentinamente agressiva
* Não quer mais ir para escola
* Evita falar sobre os motivos que estão incomodando

PSIC. NEIR MOREIRA

AGENDAMENTO: 99142-3639 | Psicoterapia individual, conjugal e familiar. Atendimentos às quintas e aos sábados.

TCC

TCC | Se você precisa de orientação e preparação textual para o seu Trabalho de Conclusão de Curso mas não tem tempo ou disposição para tal tarefa, conte com o nosso apoio técnico e editorial…

CURSO DE BÍBLIA

É NESTE SÁBADO | Segundo Módulo do “Curso de Bíblia” com o professor Neir Moreira abordando sobre a Introdução Bíblica. Há ainda algumas vagas disponíveis… Aproveite e saia da superfície e venha mergulhar conosco na Palavra de Deus!