ÉRAMOS TRÊS

NEIR MOREIRA | “Eu levei 40 anos para encontrar o amor da minha vida”. Essa é uma declaração que minha esposa, Saiomara, tem repetido a amigos em comum em relação ao fato de me conhecer.

Um homem de sorte esse Neir, não acha? Bem, exagero à parte, o fato é que o tempo exerce um fascínio sobre a maioria dos humanos.

Se a vida cobrou do meu cônjuge um pesado pedágio para nos permitir encontrar, em contrapartida, ela a compensou sendo muito generosa e ágil ao nos presentear com a nossa filha.

O seu nome é uma variação do original Naomi que significa “meu deleite”, “minha doçura” ou “aquela que é bonita e honesta”. O nome Naomi tem origem no hebraico Na’omiy, que quer dizer “agradabilidade, deleite” (Noemi). Também é um nome de origem japonesa, formado a partir da união dos elementos nao, que significa “honesto, reto” e mi, que quer dizer “bonito, belo”, e significa “aquela que é bonita e honesta” ou “a honestidade bela” .

A rigor, o seu nome completo representa uma bela história subjacente:

NAHOMY – além da importância do seu significado histórico e simbolismo bíblico, a escolha deste nome foi uma homenagem que fiz à minha sogra, Noemi. É isso mesmo que você leu: minha sogra! Ao contrário de muitos que ignoram e até ridicularizam aquelas que geraram o amor de suas vidas, eu prefiro elogiar a dona do ventre que acolheu não apenas minha esposa, Saiomara (e as outras duas que compõem as trigêmeas, Samara e Silmara), mas também os outros filhos, Simone e Roberto.

SAIOMARA – Talvez eu seja o único homem na face da terra que tem duas Saiomaras sob seu teto. E ter duas Saiomaras não é pouca coisa. Será que há um galardão especial para esta circunstância? …

WOGLER DA SILVA – Nossa filha é fruto da miscigenação (muito comum no Brasil): de um lado o sangue alemão-polonês e de outro o português-brasileiro. E essa mistura não se limita apenas ao sobrenome; ela é visível numa pequena mancha em seu pulso esquerdo. Endossando a crendice popular, nós críamos que esta marca era fruto de um desejo de a Saiomara comer jabuticaba durante a gravidez.

Gravidez que a família toda assumiu! Cada centímetro que a barriga expandiu, cada grama que a balança não perdoou, cada enjoo e vontade além de todo o desejo foram compartilhados nos 9 meses mais ansiosos pela família Wogler-Silva.

A Nahomy, me parece, tem um pai, digamos, onipresente: eu li o anúncio do resultado do teste de gravidez (a Saio estava grávida e não sabia), e eu filmei extasiado o parto enquanto a Saio dilacerava em dor. Bem, se a Nahomy tem um pai onipresente, a mãe me parece ser onipotente, pois parece ter ignorado todo o sofrimento decorrente do parto. E esse fenômeno da natureza humana já fora predito nas palavras do Senhor Jesus registradas no Evangelho segundo João capítulo 16 e versículo 21: “A mulher que está dando à luz sofre dores e tem medo, porque chegou a sua hora; mas, quando o bebê nasce, ela já não mais se lembra da angústia, por causa da alegria de ter vindo ao mundo seu filho”.

Se o pai da Nahomy é onipresente, e a mãe onipotente, resta ao irmão ser onisciente; mas isso só ele pode saber.

E, às vésperas de completar 5 aninhos, a Nahomy continua sendo uma doçura em forma de gente (seria uma herança paterna?), embora igualmente ela seja uma Saiomara quando é levado em consideração o seu “gênio”. Gênio intelectual!

Além disso, sua doçura é uma característica que irradia e contagia toda a família. Arrisco-me a dizer que a história da família Wogler-Silva pode ser dividida em dois períodos distintos: a.N. (antes da Nahomy) e c.N. (com a Nahomy).

Com a chegada da Nahomy, a casa ficou menos organizada, menos silenciosa (quase nunca), e sem carência – agora somos uma família completa.

Éramos três. Felizes!

Somos quatro. Docemente felizes!

Compartilhe leaving a comment or subscribing to the RSS feed to have future articles delivered to your feed reader.

8 respostas para “ÉRAMOS TRÊS”

  1. Amor da minha vida:
    Valeu cada dia dos praticamente 40 anos que levei para te encontrar, ou que Deus me presenteou com você.
    Eu que tanto busquei um homem culto, inteligente, sereno, organizado, sistemático, servo de Deus,
    amigo, companheiro e amante…..
    De repente você…..unicamente você com todos estes atributos ……….. que me completa, me faz feliz e amada!
    O sonho do namoro, noivado, e cada detalhe do casamento ( músicas, bolo, lembrancinha, convidados).
    Você que respeitou cada sonho e me permitiu realiza-los…
    Nosso lar, família, viagens, presentes, músicas, filmes e confidências.
    Sua presença na sala de parto, seu sorriso, você…sim papai Neir fazendo a primeira troca da baby Nahomy….
    Sou grata ao nosso Deus e a você…
    Somos um….
    Parabéns….Fascinante sua escrita sobre a Nahomy…..
    Meiga, sincera e radiante como o pai………
    Audaciosa como a mãe….
    Beijos meu anjo negro!

    Obrigada NEIR…Amor da minha vida!!

  2. Meu caro amigo Neir,

    Por razões diversas, fazia muuuuuuiiiito tempo que não recebia/não lia os teus textos.
    Parabéns pela consideração pela sogra, tão bem homenageada! Afinal, não é qualquer
    NOEMI que merece ter um genro do teu quilate.

    Parabéns pelas demais homenagens do texto “Éramos três”, e também pelos outros
    textos. Vou recomendar teu blog.

    Pena que não nos encontramos mais para um bate-papo, desde 2011 em Itapema!

    Parabéns por tudo! Deus te abençoe. Abraço.

    1. Meu nobre amigo, Noé: realmente o tempo é implacável conosco. Precisamos nos encontrar em Itapema ou outra praia para por os colóquios em dia! Muito agradecido pelos generosos elogios. Deus o abençoe ricamente. Abraço fraterno.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *